domingo, 18 de dezembro de 2011

Off blog

Ouvi esses dias uma reclamação da minha sogra e do meu vô, de que não estou mandando fotos grávida. Como esse blog tende a virar, depois, o blog da Rosa e da Cora. Antecipo a estreia da mais nova - ainda na "incubadora" - mas já propiciando muitas alegrias à família. Já sinto ela se mexer e sou "incomodada" constantemente com seus soluços. No mais tudo bem! Só um pouco do cansaço que chegou antes da hora, comparado à primeira gravidez.
Semana passada completei 30 aninhos... ui! Pesou um pouco.
Falando nisso, lembrei de umas frases que a Rosa tem falado por aí:
- Mamãe não pode me pegar porque está glávida.
Outra:
- A mamãe tá muito pesada!
E a última é uma historinha linda.
Fizemos uma divisão muito justa da comida (que eu não me lembro agora o que era). Um pouco pra Rosa (que come pouquinho), um tanto pro papai (que precisa emagrecer... hahaha) e um tanto a mais pra mim (a mamãe faminta). Mesmo assim, terminei de comer o que me pertencia e fui pescar mais um pedacinho no prato do Rogério:
- Ai amor, vai pegar mais?
Apareceu a minha (ou melhor a nossa, né Cora?) defensora:
- Mas a mamãe tá glávida. E a Cola tá com fome!
Amei, porque - vai aqui um desabafo - a Rosa geralmente defende o pai.
Vamos encerrar as histórias. Aí vão as fotos:

24 semanas

com 20 semanas

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O nome da irmã (e a história do nome da Rosa)

Antes de sabermos o sexo do nenen que estamos esperando, a Rosa invocou que teria uma irmã. Perguntávamos pra ela qual nome ela sugeriria. Ela deu sua opinião:
- Blanca de neve!
Expliquei pra ela que não daria pra ser esse nome. Ela então sugeriu outro:
- Rapunzel!
Não novamente.
- Então Joana.
UFA! Gostamos desse nome.
- E se for menino?
- Não, vai ser Joana.
Esse é o nome de uma das bonecas que ela tem. Na verdade ela já deu nome a 3 bonecas: a Joana, a Karina e a Juju (que é a boneca que dorme com ela).
Pois bem, voltando ao nenén, ela sempre disse que teria uma irmã chamada Joana. Como gostamos desse nome consideramos bastante a sugestão dela.
No entanto, eu sempre precavia a menina que poderia ser um menino, que é o papai do céu que escolhe. Ela respondia sem dúvida:
- É menina, Joana.
- Mas se for menino?
- Não, é menina.
- Filha, mas pode ser menino. Se for menino como vamos chamá-lo?
- Então, João. Mas é Joana.
Bom, na minha cabeça ficou Joana.
Só que o pai ressucitou um nome antigo, que queríamos ter colocado na Rosa. Bom, vou contar essa história agora pra vocês entenderem tudo!
Quando minha irmã, a Caísa, ficou grávida do primeiro filho, ela havia decidido que se chamaria Bento ou Cora. Eu gosto dos dois nomes. Nasceu o Bento.
Passado um tempo eu engravidei. Cora foi um dos nomes cotados, caso nosso nenén fosse menina. Na época a Caísa implicou. Disse que esse nome era dela, que seria da sua próxima filha.
Como eu sou muito justa (hahahaha) eu aceitei o argumento dela, já que ela teria "escolhido" esse nome primeiro. Descartamos o nome antes de sabermos o sexo do nenén. E definimos que, se fosse menina seria Rosa.
No dia que soubemos o sexo já estava definido que aquele nenén era a Rosa. Ligamos pra todos pra avisar. Foi quando a Caísa me disse que eu poderia colocar o nome de Cora, caso quisesse, pois não tinha nada a ver o que ela tinha falado. Lembro dela falando:
- Já pensou, depois eu tenho outro menino e aí pronto. Todo mundo queria Cora e não vai ter nenhuma Cora na família.
Mas, pra nós, aquele nenén já era a Rosa. Já conversávamos com a Rosa, já pensávamos na Rosa. Não dava pra mudar mais, era Rosa e pronto.
Passado um tempo e a profecia se concretizou. A Caísa engravidou e é outro menino. Vem aí o Dante!
Depois eu engravidei. Começamos a repensar os nomes.
Eu já eliminei de cara Cora, porque não queria nomes de dupla sertanja (nada contra a música, que eu adoro, por sinal, a verdadeira música Sertaneja). Rosa e Cora é combinado demais e eu não queria muito isso.
Mas, o papai insistiu e ficamos, primeiro, entre Cora, Joana e Alice. Depois entre Cora e Joana. Fiz até uma enquete, mas acreditem: ficou empatado.
Eu amo os dois nomes. Mas para mim, ficou Joana. Pro pai, Cora. Além da combinação dos dois nomes que me dasagradava, considerei que Joana era o nome escolhido pela irmã. Tem algo mais bonito?
Pois bem, um dia, na mesa com Rosa e Rogério eu comecei o assunto:
- Eu gosto mais de Joana.
Disse o pai:
- Eu gosto mais de Cora. É muito mais bonito!
E então fomos surpreendidos pela Rosa:
- Eu gosto mais de Cola.
- Ah???? Você que escolheu Joana, filha!
- Mas agola eu gosto mais de Cola.
- Ah, então você mudou de ideia, né? Só porque seu pai prefere Cora?
(me senti traída, mas tudo bem)
Depois disso, a Rosa contou a história pra alguém:
- O nenén ia chamar Joana. Eu tinha escolhido Joana. Mas aí eu mudei de ideia e escolhi Cola, porque as pessoas mudam...
Ai, fui vencida pela maioria.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A barriga do papai

- Mamãe, eu vou comer muito muito muito muito pra ficar bem gorda!
- Não, filha. Você vai comer muito pra ficar forte.
- Você tá gorda!
- Eu? IMAGINA, filha. Eu estou grávida. Minha barriga está grande assim porque eu estou grávida.
- Ah, papai tb está glávido.
- Não, filha. Papai está gordo.
-?????

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A outra Helena

Essa semana veio uma amiga minha aqui em casa com sua filhinha, de alguns meses, chamada Helena. A Rosa estranhou!
A periquita que se dá tão bem com amiguinhos da sua idade, deixou transparecer uma ponta de ciúmes do nenén. Talvez uma amostra do que vem por aí.
Helena não podia pegar nenhum brinquedo. Segundo a Rosa, nos seus brinquedos não se pode babar...
Agora a estranheza inicial foi mesmo por conta do nome. Ela achou graça de ver uma nenén com o mesmo nome de sua vovó. Logo tratou de diferenciar as duas Helenas:
- Só que essa Helena aqui não faz nada!
Isso porque aprendi com uma amiga a ensinar a criança que o nenén que vai nascer, no início, não faz nada. Não brinca, não fala, só chora, mama, faz cocô e dorme...
Minha amiga achou graça:
- Não faz nada?
- Não. A otla faz.
- Ah, você conhece outra Helena? Qual? O que ela faz?
- A outla? Aquela que faz omelete!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Esquadrão da moda

Rosinha se arrumou pra sair. Escolheu a roupa. Um conjuntinho preto e branco de bolinhas. Separei um sapatinho preto. Ela voltou com uma meia cor de rosa de coração e um tênis rosa. Falei pra ela que não estava combinando muito, que era melhor o sapato preto. Mas ela me convenceu dizendo:
- Mas ohhhh, mamãe. Tem esse rosa aqui.
A roupa tinha um detalhezinho rosa de um bordadinho, pequenininho, no cantinho.
Eu que gosto de combinar cores, concordei. Tudo bem que o problema ali era a meia estampada (tinha de ser lisa)...
Bom, continuando...
Ela me olhou de cima em baixo. Meu look era uma macacão preto de grávida, com um colete verde por cima e o cabelo preso todo pra trás (de um jeito que ela nunca tinha visto).
A periquitinha me olhou de cima em baixo e falou com uma delicadeza incrível:
- Mamãe, assim o seu cabelo eu achei assim um pouco estlanho, mas essa parte aqui da roupa eu achei lindo, tá?
Fiquei tão feliz porque agora eu tenho uma companheirinha.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Oração

- Papai do céu me plotege e toda minha família, que eu amo todo mundo... menos o clocodilo, o Capitão Gancho, a madlasta, o Gastom, o Scar, a Malévola...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

"Ai, palavras, ai, palavras, que estranha potência, a vossa!"

Rosa, agora, deu para reparar nas palavras. Quando ouve uma palavra pela primeira vez, pede para repetir. Quando não sabe o que é, pergunta. Esses dias falou pra mim:
- Mamãe tira isso, como chama isso?
- Top.
- TOP? Que feia! rsrsrs
- Achou essa palavra feia?
- É, parece SHOP.
- Feia é paralelepípedo.
- Ai, mamãe, as tlês palavlas são feias!!!
No dia seguinte, julgou uma outra palavra:
- Que englaçada!
-Ué, você tá achando tudo esquisito. Ontem, achou a palavra TOP engraçada.
- Não mamãe, eu achei TOP feia, essa otla que eu achei englaçada!
!!!!!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Fim de semana em Brasília

Rosinha foi passar o fim de semana prolongado com o papai em Bsb. Os avós de Goiânia foram a Capital encontrar com a periquita. A mamãe, pra variar, ficou no RJ estudando...
Antes de ir, fiz a Rosa prometer que falaria comigo no telefone direitinho. Ela concordou.
Em Brasília foi uma farra só.
Fiquei sabendo que no dia em que ela chegou o primo Bento já estava à postos esperando a menina. Só que ela dormiu já quase chegando na casa da vovó Lena e só acordou no fim da tarde.
O Bento não desgrudava da beira da cama:
- Mamãe, fica aqui vigiando se a Rosinha acorda que eu vou ali fazer xixi, tá?
Depois de cansar, a Caísa o convenceu de ir pra casa que quando a Rosa acordasse a vovó Lena o chamaria.
Pois quando a vovó ligou o menino já não se aguentava de tanta ansiedade:
- Vamos mamãe, a gente tá demorando demais...
No primeiro dia bincaram até 23h.

Fiquei sabendo que o assunto entre eles era o seguinte:
- Ah Rosinha, você vai tomar água nesse copo aqui porque você é pequena e eu vou tomar nesse aqui porque eu sou grande. E quando meu irmão Dante nascer eu vou ser grande e ele vai ser pequeno.
- E quando minha irmã Cola nascer eu também vou ser glande e ela vai ser pequena.
- Ah então eu e você somos grandes, né?
- É, eu e você somos glandes!

Eles brincaram tanto que chegava no fim do dia exclamava pra vovó:
- Ai vovó Lena, eu preciso dormir que eu tô muito cansada! Eu blinquei demais!

Não queria nem falar comigo no telefone. Não podia parar de brincar pra conversar.
Teve um dia que insisti, mandei dizer que ela tinha prometido que ia falar comigo todo dia. De longe ouvi os gritos:
- Mas eu já falei com a mamãe hoje.
Esbravejei de cá:
- Diz pra ela que não falou não. Ela falou comigo foi ontem!
- Falei sim. Mamãe tá confundindo!
É mole?

O papai contou que um dia ela confessou:
- Ai papai, eu quelio molar na Basília!
- E a nossa casa nova, filha?
- Ah, a casa nova é tão legal, né papai?
--------- reflexão --------------------
A vovó Rosimar emendou:
- Mas e a mamãe, ela ficou lá sozinha no Rio?
- Não vovó, ela não ficou sozinha não. Ela ficou com a Cola!

E quando a vovó Rosimar e o vovô Caetano foram se despedir, ela falou:
- Não vovó, espela que eu vou na Goiânia. Papai, eu posso ir na Goiânia com a vovó?
Prometemos que na próxima viagem, no fim do ano, ela irá novamente pra Brasília e também para Goiânia.

Chegando no Rio, no outro dia de manhã, estávamos tomando café quando eu vejo a menina pensando alto:
- Que saudade!
- Que foi Rosinha?
Ela riu se graça!
- Saudade mamãe!
- De quem, filha?
- Do Bento, da tia Caísa, tio César, vovó Lena, vovô Caio, vovó Rosimar, vovô Caetano.
- Final do ano você vai pra lá de novo.

Eu perguntei pra ela como foi a viagem, do que ela brincou e todos os detalhes. Ela respondeu:
- Ah, mamãe foi muito legal porque agola o Bento emplesta os blinquedos dele.

Ela ficou tão bem na casa dos avós que já combinamos o fim do ano: Rosinha vai pra Bsb mais cedo, dia 12 de dezembro (com a vovó Lena) e nós papais, pobres mortais, ficamos trabalhando até dia 21!

domingo, 6 de novembro de 2011

O cabelo da Rapunzel

- Mamãe eu quelio que o meu cabelo fosse assim glandão! Sabe por que? Porque eu quelio ser Rapunzel!
- Ah, filha, mas eu acho que o cabelo da Branca de Neve tão bonito. Cabelo de criança fica bonito assim mais curto.
- Ah mamãe, eu quelio que meu cabelo fizesse assim ó!
(balança a cabeça)
- Ah!
- Eu não quelo flanjinha.
- Ah não acredito. Você fica tão linda de franjinha, de cabelo curtinho. Igual a Branca de Neve.
- A Bela também não usa flanjinha, sabia mamãe?
- Mas eu gosto tanto de franjinha, filha.
- Ah, mamãe então porque você não usa flanjinha?
- Porque eu gosto de franjinha em você! Eu já sou adulta, filha.
- Ah, mamãe! Cada um que quer o seu cabelo!!!!!!!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Dama de honra

Não deu tempo de contar, mas a Rosinha foi daminha do casamento da Gabi, minha grande amiga. O casório foi em setembro (eu tô meio atrasada)!
Fizemos toda a preparação dizendo que ela ia entrar vestida de princesa dourada! Ensaiamos a entrada, o sorriso, o passinho! Tudo! Ela ficou muito empolgada!
No ensaio, a vovó Lena a levou e disse que ela aprontou todas. Correu na igreja, mas prometeu que no dia ia ficar igual princesa, sentadinha no altar. A Rosinha ficou linda. Quer ver?



A Dudinha (da Maria) também foi daminha. Olha que lindo as duas:

A entrada eu não pude ver direito, porque nós fomos padrinhos e entramos antes. Só sei que foi engraçado. As crianças estavam meio desengonçadas. Cada um puxando pra um lado. O pagem da Rosa ficou chateado porque ela não queria dar o braço pra ele. Mas eles entraram direitinho.
No altar, a periquita não parou. Ameaçou o choro, foi atrás da gente, quis conversar (tudo isso no meio da missa). A tática foi lembrar que ela era uma princesa, que estava em um castelo. Aí ela se empolgou, cantou, rodou, abriu os braços (em cima do altar, bem pertinho dos noivos). E a gente se esforçando pra ela ficar quietinha... Depois pediu água. O cerimonialista trouxe a água em um copo de plástico. Ela não quis. Disse que queria água no copo rosa (estava se sentindo realmente uma princesa).

Na hora da foto ela já estava exausta. Não quis tirar posar com os noivos. Foi uma pena! Tentei até!!!!! Olha que lindo as fotos dos noivos, damas e pajens (sem a Rosinha).

E por fim ela saiu no meu colo, agarradinha!
Como ela conta essa história?
Diz que:
  • Casou com o sapato dourado.
  • Foi dama de ronra.
  • Entrou com o principe Eduardo.
  • O principe dela chorou na igreja.
  • Não tinha nenhuma menina chorando no casamento.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A festa de 3 anos

A festa de 3 anos foi um sucesso. Há muito tempo que a Rosa definiu que o tema seria da Chapeuzinho Vermelho. Mesmo agora que ela está em um momento princesa, quando eu perguntava do que seria a festa de 3 anos, ela respondia sem titubiar que seria da Chapeuzinho Vermelho.
Dessa vez ela disse que queria um bolo de morango!
Fizemos a festa já na casa nova, no salão de festa infantil. O lugar é tão legal que nem precisou de muita coisa. Fizemos uma mesa linda! Salgadinhos, sucos e doces! E muita brincadeira!
Os meninos ganharam a capinha do caçador e as meninas da Chapeuzinho. Apareceu o lobo mau pra correr atrás da criançada. E foi isso!
E vieram de Brasília o primo Bento, a tita Caísa, o vovô Caio e a vovó Lena.
Fora todos os amiguinhos daqui do Rio...





sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Decoração

Esses dias estava conversando com a Rosa sobre a casa nova. Ela sempre me diz que está gostando muito... No meio da conversa ela solta a seguinte frase:
- Mamãe, a gente vai morar na casa nova pla semple?
Achei a pergunta assim muito radical, mas pra encurtar conversa falei que sim. Ela insistiu:
- Pla semple, pla semple?
- Não, filha, não digo PRA SEMPRE. Mas por um bom tempo.
Aí então é que eu entendi o seu problema:
- Pode te nananaa...
-Ah? Não entendi nada?
- PODE TER DOIS ADESIVOS?*
- Dois? Qual adesivo você quer colocar?
- Da Rapunzel.
- Não filha, não dá pra por dois adesivos. Vai ficar muito exagerado.
- Ah, mamãe, então vamos fazer de conta que a Aulola é a Rapunzel, né?

* É que quando arrumamos o quarto dela, a princesa favorita do momento era a Aurora. O vovô Caio deu uma adesivo da Aurora pra ela por no quarto (ela que escolheu). Mais ou menos um mês depois a princeza da vez é a Rapunzel.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Declaração

- Vovô Lena, quando você e meu priminho Bento vão embola eu fico morrendo de saudade!!!!

domingo, 18 de setembro de 2011

Garotada

Rosinha com os primos Gabriel e Rafaela

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Elogio

Esses dias eu estava me arrumando para sair à noite: vestido, salto alto, maquiagem. Quando a Rosinha viu foi logo exclamando:
- Mamãe tá bonita!
Fiquei toda orgulhosa. Logo, ela completou:
- Vai lá mostrar pro papai como você tá bonita!
Ela dessa idade já entendeu como acontecem as coisas por aqui...

domingo, 11 de setembro de 2011

Princesa

Foto da Tia Tatá

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Carta aberta

Minha periquitinha,
Você já está ficando independente! Essa é nossa primeira separação. Confesso que está doendo, mas ao mesmo tempo estou muito feliz. Você está se tornando uma criancinha muito segura de si.
Fiquei encantada de ver você me consolando, na nossa despedida. Você me olhou de uma forma muito meiga e perguntou se eu estava feliz, tal qual eu havia lhe perguntado segundos antes. E quando falei que sim, você devolveu a mesma recomendação que eu lhe dei. Você pediu para eu parar de chorar e sorrir!
Minha periquitinha, é isso! Estou agora escrevendo em meio a lágrimas de saudades e sorrisos de orgulho. Você só está com quase 3 aninhos e já consola uma marmanja de quase 30.
Aproveite a viagem com o papai à casa dos vovôs,
Mamãe te ama!

domingo, 21 de agosto de 2011

Filosofando

Rosa em um canto falando, falando.
Eu na cozinha.
- Rosa, eu não tô entendendo o que você está falando.
- Não está entendendo?
- Não, sobre o que você está falando?
-Ah mamãe, eu tô falando soble as coisas!
- Coisas? Que coisas?
- As coisas... papai do céu, papai noel, papai Rogério, mamãe Milena, titio Luquete, titia Caísa, Cinderela...
-...
-... as pintulas de Miló. Sabia que o Miló não usava pink?
-...
- E nem blanco.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Color

No elevador:
-Tio Luquete, seu tênis é preto, né?
-É!
-Ah, sabe que chama black?
E depois continuou:
- Branco é white; amarelo é yelow; rosa é pink; azul é blue; verde é green...

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Notícia

A Rosa diz que tem um nenén na barriga.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Codinomes

A Rosa agora só atende por Branca de Neve, Aurora ou Bela.
Eu sou a Cinderela.
O Rogério é o Príncipe Filipe.
A vovó Lena é o Lobo Mau.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

RPG

-Mamãe, senta aqui. Vamos brincar?
- Filha, vamos brincar aqui? Eu tô com as costas doendo. Deixa a mamãe sentar na cadeira?
- Não mamãe, senta aqui no chão.
-Mas minhas costas estão doendo...
- Você senta aqui, aí você encosta suas costas aqui na cadeira. Aí as suas costas não vão doer mais, né?

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Revelação

Alguém perguntou para Rosa:
- Rosa, na favinho você tem apelido?
- Tenho.
Disse a menina envergonhada.
- Qual?
- Tomáz!

sábado, 28 de maio de 2011

Mestre Cuca

A Rosa agora tá assim, sai de casa dizendo o que quer de almoço e janta. Ainda explica como se deve fazer o prato. Um dia combinou que queria almoçar trigo, quiabo e carninha. Quando chegamos pedi à Neide para por o prato. Quando ela trouxe, perguntei se não tinha feijão. A Rosa na hora já respondeu:
- Eu não pedi feijão. Oh Neide, eu não quelo feijão. O feijão é de noite.
- Ah tá bom.
- Vovó?
A vovó veio correndo.
- De noite eu quelo feijão, caldinho de feijão, assim.
E fazia o movimento circular com a mão.
- Aí, você põe o macarrão de letlinha dentro do feijão.
Vovó observou as intruções.
- Eu sei como é Rosinha.
- Aí vovó, os legumes...
- Põe separado?
- Aí vovó, os legumes você come, tá?

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Translator

A teacher me disse que um dia falou pra Rosa:
- Good Morning, Pink.
Ela respondeu:
- Pink é a cor. Eu sou Rosa mesmo.
A teacher podia ter dormido sem essa, né?

domingo, 22 de maio de 2011

Momento Princesa

Rosa agora está no momento Princesa! Só fala de Branca de Neve, Cinderela, Bela, Aurora, Pequena Sereira- Ariel e Jasmine. Já tem roupa da Branca de Neve e da Aurora. Tem em miniatura a Branca de Neve (na verdade duas, uma grande que chama de Branca de Neve mãe e uma pequena, a Branca de Neve filha), a Cinderela e a Bela. Disse esses dias que precisa da Aurora, precisa dos Anões, precisa do Príncipe Felipe, precisa da Jasmine.


Fora os outros detalhes: pijama das princesas, copo das princesas, livro das princesas, filme das princesas. Só quer usar a calcinha da Branca de Neve. Outro dia chegou dizendo que a Mara disse que tinha que comprar mais calcinha da Branca de Neve. Já explico: Mara é a ajudante da creche. Toda vez que a Rosa está com a calcinha da Branca de Neve, não quer trocar de jeito nenhum. Se deixar, toma banho e coloca a mesma calcinha de novo. Quando a Rosa falou isso pra mim eu ri e disse brincando:
- Isso é coisa pra sua vó.
Você acredita que quando a vovó Lena chegou a primeira coisa que ela falou foi:
- Vovó Lena, a Mara falou que tem que comprar um monte de calcinha da Branca de Neve!

Vou confessar. Agora as princesas também são os exemplos de boa conduta: a Branca de Neve dorme sozinha na cama a noite inteira, sem chamar papai e mamãe; a Pequena Sereia nada muito bem; a Cinderela usa um sapatinho lindo; a Aurora é muito obediente; a Jasmine penteia o seu cabelo todo o dia...

Aula de inglês

Rosinha agora deu pra falar em inglês. Fala assim naturalmente, enfia uma palavra em inglês no meio da frase. Coisas da creche. Eu pra falar a verdade sempre achei desnecessária essa obsessão por aproveitar a facilidade da criança e sai atirando pra tudo quanto é lado. Busco o contrário, explorar as coisas mais simples que atualmente estão se perdendo no meio de tanta modernidade.
Porém, confesso que estou gostando do jeito que ela está aprendendo. Faz tudo com tanta naturalidade! Olha só essas histórias:
Um dia ela chegou com um cavalo pintado na mão:
- Olha mamãe, um roiss!
- Hã?
- Um roisse!
-Ah, um horse! Que lindo! Quem pintou?
- A tchitche!
- Quem? Foi a Dani?
- Não mamãe, foi a tchitche!
- Quem?
- Aquela Juliana!
-Ah, a teacher Juliana.

Um dia depois de ter levado uma bronquinha da mamãe, deixou escapar:
- Ai mamãe, eu tô sad! Eu tô sad com você mamãe. Eu tava tão happy, aí você bligou comigo. Tô muito sad.
Depois incorporou o angry.
Semanas após, apareceu cantando uma música “If you are angry, angry, angry, xxx” O finalzinho eu ainda não entendi, só sei que é em inglês.
Chegou em casa um dia dizendo:
- Hello!
Morremos de rir. O papai puxou conversa:
- Hello Rosinha. My name is Rogério.
- My name is Milena.
- My name is Helena.
- E você Neide?
Perguntou a menina.
-Eu sou Neide mermo!
- Rsrsrsrs
- Eu sou inglês Rosa!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

A cor do nome

A Rosa dizia que queria seu quartinho novo na cor laranja. Eu fiquei toda animada. Depois, de uma hora pra outra disse que queria rosa. Em um dos projetos de armários que fizemos sugeriram, para a pequena, o tom de lilás. Chamei ela pra ver. Ficou toda animada: - Meu quartinho!!!!!!!!!!!! - Gostou, filha? - Obigada mamãe, mas eu quelo rosa. Foi tão grande a pesquisa em busca da melhor opção de armário, que Rosinha já tinha domínio de todo o linguajar. Se a gente perguntasse a ela como seria o seu quartinho, ela disparava: - Meu quartinho vai ser tooodo rosa, assim, o armário, no cantinho, assim, pra por os livrinhos, lá no cantinho. E tem a porta da varanda. Eu vou brincar na varanda, meus brinquedinhos. Quem conhece ela já está imaginando ela falando esse texto com as mãos (daquele jeito charmoso dela). Ontem estávamos conversando novamente sobre o quartinho quando perguntei: - Rosinha, que cor vai ser o seu quartinho? - Rosa, mamãe. - Filha, você falou que queria laranja! - Mas eu mudeei de ideia, mamãe. Agola eu quelo rosa. - Poxa vida, eu estava toda animada porque eu adooro laranja! - Mamãe, eu tenho uma ideeeia. Então você faz o seu quartinho lalanja! (toda empolgada) - Mas filha eu adoro laranja para o seu quartinho. - Mas não pode, mamãe. Se eu fizer lalanja, fica sem nome. - Como assim? - Meu nome é rosa, quartinho rosa. Se for lalanja, fica sem nome. -Mas não é porque seu nome é Rosa, você tem de ter tudo na cor rosa. - Mas eu quelo rosa, mamãe! - Uhn!

terça-feira, 29 de março de 2011

Sobrinha de peixe, peixinha é

- Mamãe, quando eu tiver 7 anos eu vou trabalhar muito igual você. - Ah é, filha! E o você vai trabalhar em quê? - De fazer de conta que é lobo mau, de fazer de conta que é chapeuzinho!

quinta-feira, 24 de março de 2011

Mais um carnaval...

Tocou na banda e pulou com a mamãe no Bloco da Favinho


Saiu de Frida no bloco da cobal




Pulou de jogadora de futebol do Goiás no baile dos amiguinhos da Lagoa



Saiu de baianinha no bloco Zona Só




Saiu de princesa e sambou muito no Cordão do Boitatá...


video




segunda-feira, 14 de março de 2011

Perguntei à Rosa:
- Filha, você quer ir pra casa descansar um pouco ou quer ir direto pra casa da Tia Silvânia.
- Quero ir pra tia Silvânia porque ela tá morrendo de saudade de mim!
- Mas você não tá cansada, não?
- Mamãe, quando eu tiver cansada eu falo assim ó "Mamãe, tô cansada, quero tetê". Tá bom?
- Tá!
E dito e feito, foi assim mesmo.

Ado, ado, ado, cada um no seu quadrado

Vovó Helena falou que ia embora e ia morrer de saudades:
- Como que eu faço, Rosa? Você vem comigo pra Brasília?
- Eu vou vovó. Maaas cada um na sua casa!

sábado, 5 de março de 2011

sexta-feira, 4 de março de 2011

As conclusões da Rosinha

Quando a Rosa estava em Brasília, era comum a gente ouvir o Bento dizer toda hora que ele era grande e que ela era pequena.
Pois bem, a vovó Lena chegou no Rio contando que quando a Rosa foi embora o Bento disse à vovó assim:
- Vovó Lena, eu também sou criança pequena, sabia?
A Rosa ouviu isso e eu nem vi.
No outro dia, pela manhã, ela estava na cozinha com o papai fazendo sua vitamina, quando disparou o primeiro assunto do dia:
- Papai, você sabia que o Bento mudou de ideia. Agora ele é criança pequena!

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Independência

Hoje a Rosa acordou. Em silêncio se levantou. Conseguiu sair do berço sozinha. Tirou a fralda. Jogou no lixo. Pegou a calcinha na gaveta. Colocou a calcinha. Pegou o chinelo e colocou no pé. Quando vi já estava prontinha. Veio correndo e me deu um beijo de bom dia.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Mania masculina

A Rosa me surpreendeu ontem:
- Mamãe, homem faz assim ó!
E enfiou a mão dentro da calcinha fingindo ajeitar você sabe o quê.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Curtas

Vovó Rosimar:
- Rosa, você tem de mais atenção pra vovó. Eu gosto tanto de você!
-Ah vovó, eu sou assim!

Papai Rogério:
-Vamos Rosa, a gente tá atrasado. Rápido.
- Papai, eu tenho o meu tempo, tá?

Rosinha no carro:
- Papai, liga logo esse ar condicionado.

Rosinha no elevador:
- Mamãe deixa eu te mostrar. Esse é o 7, onde a gente mora. Esse é onde fica o nosso carro. Esse é onde fica o Manuel. Esse é onde fica os outros carros.

Rosinha chegando lá em cima, na sala, sozinha, depois de acordar:
- Oi!
- Filha você acordou e veio aqui sozinha? Você não ficou com medo?
- Não mamãe, eu tava com a minha fraldinha!

Depois do almoço, todos amontoados na cama (eu, Rosa, Lucas e Carol) cochilando:
- Tio Luquete quer um pouquinho da minha fraldinha?

Rosinha para um amigo meu que estava desacompanhado:
- Você é casado com quem?

-Rosa!
- Eu sou a Emília, mamãe. E você é a Tia Anastácia.
- Ah, tá!

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Sinceridade

Um dia fui buscar a Rosa na creche. Quando ela me viu, ficou decepcionada:
- Não é o papai!
- Não, filha. A mamãe que veio buscar.
- O papai tá lá fora?
- Não. O papai tá trabalhando.
- Ele tá trabalhando lá em casa?
- Não, filha. Ele tá trabalhando na rua. Vamos?
- Mas eu queria o papai...
Fiquei ligeiramente balançada. Mas como já tinha acontecido outras vezes, relaxei.
- Vamos, periquita!
No entanto, ela não se deu por satisfeita. Abriu o maior berreiro. Eu fui ficando sem graça...
- Buaaaaa! Eu queria o papai...
Sufoco!
Já em casa, ela mais calma, conversamos:
- Filha, você não gosta quando mamãe te pega na Favinho?
- Não, eu prefere o papai.
- Mas eu gosto tanto de você. Você gosta da mamãe?
-Não!
- Gosta sim. Gosta igual, do papai e da mamãe, né?
- Igual nada! Gosto mais do papai.
Encerrei o assunto. Pra que cutucar mais?

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Novas composições

A Rosinha agora deu pra fazer paródia e acrescentar letra nas músicas. A primeira invenção foi bem romântica e fez até gente chorar de emoção; já a segunda foi aquela típica de moleque. Vou contar.
Depois de ouvir meu afilhado (lindo) Tiago cantar Carinhoso, lá em Caldas Novas, a Rosa pediu pra eu cantar pra ela. Ela observava meus lábios com uma atenção absurda, se concentrando pra aprender a letra. Aprendeu a primeira parte depois de escutar três vezes. Passou a cantar com graça, fazendo até gestos com a mão.
Em Brasília, na casa da vovó, ela se afeiçoou com o Seu Lourenço, o caseiro. Gritava ele pra cima e pra baixo. Puxava conversa. Pois bem, um dia deu na telha e quando eu ouvi, ela estava cantando toda faceira:

"Meu coração
Seu Lourenço
Não sei porque
Seu Lourenço
Bate feliz
Seu Lourenço
Quando te ver"

Tudo certinho. O "Seu Lourenço" vinha no contracanto, com melodia e ritmo corretos.
Ficamos doidos. O Seu Lourenço ficou com os olhos cheios de lágrimas. Fizemos ela cantar pra todos: mamãe, papai, Tia Nelma, Vovó Lena, Vovô Caio...

Já no Rio, Rosa estava empolgada cantando a música do Cascão.

"O Cascão aposta e ganha vai morrer sem nunca tomar banho..."

Parou, riu e soltou essa:

" A mamãe aposta e ganha vai morrer cocô de fedorzão".

Pro meu alívio, depois cantou com o nome de todo mundo.

sábado, 15 de janeiro de 2011

A versão dele

Essa história tinha que tá no blog do Bento, mas como ele não tem e como a Rosa é antagonista, resolvi contar.
O último presente que o Bento recebeu do Papai Noel foi um jogo. Logo depois que abriu o embrulho, ele foi logo "lendo" as instruções e avisando a sua mãe:
- Mãe, tá vendo esse escrito aqui. Tá dizendo assim " a prima não pode mexer". Tá vendo? É isso, "a prima não pode mexer".

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Diálogo 2

Rosinha está encantada com o brinquedo do Bento: um pato de madeira que desce a rampa quando empurrado por alguém.
-Bento, sabia que eu tenho um cavalo que faz assim também.
- Você tem um cavalo, Rosa?
- Tenho.
- Pega ele.
- Não dá, tá muito longe.
- Tá muito longe, é? Tá no Rio de Janeiro?
- É
-Sabia que eu estou precisando muito de um cavalo? Você está precisando de um pato, Rosa?
- Tô, eu estou precisando de um pato, Bento.
- É!
- É!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O Natal


O Natal foi animado. As crianças brincaram bastante. O papai noel trouxe presente pra todo mundo. A Rosa ganhou várias bonecas, um saxofone, um biquini da Branca de Neve, um computador da Branca de Neve, roupas, perfume, massinha, jogo de montar e por aí vai... Amou!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Diálogo

- Mamãe eu quero escovar os dentes com a escova do Bento.
-Filha, escova de dente é uma coisa muito pessoal: cada um tem a sua.
- Bento, você tem pessoal?
- Tenho Rosinha, eu tenho meu pessoal. Eu tenho a minha mamãe, eu tenho o meu papai.
- Eu também tenho o meu pessoal, Bento. Eu tenho a minha mamãe, eu tenho o meu papai eu tenho a minha titia Caísa.
- !!!!

domingo, 2 de janeiro de 2011

Féria em Brasília - a vovó Lena

Chegando em casa, a Rosinha foi logo dizendo:
- Vovó Lena! Quero vovó Lena.
Grudou.
- Quem vai dá tetê é a vovó Lena.
- Quero tomar banho com a vovó Lena.
E por aí vai.

Teve um dia que a vovó Lena estava ocupada. Eu coloquei ela no banho. Quando vi, Rosinha tava no meio da sala, gritando:
- Vovó Lena! Vovó Lena! Terminou o banho.
Fui pegar a menina, ela aprontou um escandalo:
- Mas eu queria a vovó Lena...
Ela tirou uma soneca e quando acordou foi se queixar com a vovó:
- Eu tomei banho, mimi e você não tava lá.
A vovó se desculpou.

Outro dia, fomos comer uma pizza e eu perguntei pra ela:
- Você quer comer pizza com a mamãe e com o papai ou quer ficar em casa com a vovó Lena e comer macarrão.
- Quero ficar com a vovó Lena!

No dia que chegamos de Goiânia, ela quase teve um treco quando viu o portão da casa.
- Vovó Lena!
Gritava eufórica.
A vovó não estava na varanda esperando a gente. Ela entrou na sala gritando:
-Vovó Lena, eu chegô! Eu chegô!
Feliz da vida!